Definindo um time…

Bom, acho que é meu dever começar postando alguma coisa aqui nesse blog, afinal eu fiz a loucura de montar esse time, hehehe. E aí pensando essa semana no que eu ia postar aqui, mais última reunião geral da nossa gestão chegando, @XMAS e troca de diretoria, postulação para o Excellence Awards da @BAZI eu comecei a pensar: O que realmente nos mostra se um time teve um sucesso? Como que eu avalio se o meu time foi um time de sucesso?

Então vamos começar do começo:

Quando eu assumi como LCP 2009 da @SM eu tinha como primeira missão montar a equipe que iria assumir essa empreitada comigo, deu nisso:


Mas até esse ponto ainda não era um time ainda, só um amontoado de gente empolgada, querendo começar a trabalhar, muito motivados e com potencial.

Aí eu comecei a pensar bem mais do que eu ja pensava em gestão de time, construção de time, como eu ia fazer aquele amontoado de gente virar um time de verdade e o que caracteriza um time de verdade?

Até por que eu tava meio preocupado, tinha muito trabalho pela frente, além das pessoas serem bastante parecidas em muitos aspectos (perfil dominante, competição nas reuniões iniciais para ver quem falava mais e mais alto, motivação excessiva…). Tinha que canalizar isso para alguma coisa produtiva 😀

Então o cara começa a ler tudo que é teoria sobre gestão de time, modelo disso, daquilo, ferramenta pra gerir o time no começo, meio, fim. Para gerir cada um, pra gerir membro de baixa performance, de alta performance, para construir time, tem de tudo! Mas a idéia aqui não é explicar os meios e mas os fins 😉

E o time começou a criar forma e virou o EB ONE:

Quando digo que começamos a ser um TIME é que realmente estavamos conseguindo canalizar aquilo que tinhamos de melhor e superar os desafios que havim pela frente.

O tempo passou e realmente podia dizer que esse era um time de alta performance. Quebramos todos os recordes, vários paradigmas, desafio aceito era desafio superado. Tinhamos e temos um ótimo relacionamento e uma capacidade de motivar uns aos outros que eu nunca vi. Em alguns momentos o time parece que andava sozinho. Se desarrumava e depois se arrumava e parece que melhorava. Quando tudo estava bem, um momento difícil era bem vindo para não deixar o pessoal se acomodar, se recuperar e voltar melhor ainda.

E quando isso acontecia eu pensava, como que é possível? Como que esse bando de loko que agora é um time, consegue passar pelas situações mais bizarras e se manter em alta performance, motivação e união? Como que no final da gestão com quase tudo realizado já no ano eles aceitaram o desafio de dobrar todas as metas e se puxar para ir atrás disso?

Esse time consegue isso a meu ver porque de alguma forma conseguimos trabalhar com: Propósito, Empowerment, Relacionamento e comunicação, Flexibilidade, Produtividade ideal, Reconhecimento – valorização e Moral.


Isso leva boa parte dos times a funcionar bem e atingir e superar os resultados. Mas tem 2 pontos que eu acredito que completam o meu questionamento inicial:

Atingimos os resultados que o TIME se propos, no nosso caso os 40 Intercâmbios, os recordes organizacionais que batemos, a visão do EB ONE entregue. Mas poderiamos ter feito isso e no final o time estar em pedaços, se desmanchando, torcendo para o ano acabar e TCHAU!

Como que eu avalio se o meu time foi um time de sucesso?

Duas coisas que considero aqui além da entrega dos resultados:

Primeiro, os membros do time conseguiram atingir o desenvolvimento que queriam com o time e pelo menos boa parte das aspirações profissionais e pessoais esperadas.

E por último, mais importante, e que era um dos meus principais objetivos quando montamos o time:

ELE NÃO VAI CHEGAR AO FIM COMO TIME, APÓS TUDO ISSO!

Tenho a sensação de dever cumprido quando vejo que passamos por tudo isso e só nos deu mais força e vontade de seguirmos nos ajudando, de vermos os outros traçarem seus novos caminhos. Passamos apenas por uma etapa esse ano com nosso time. A frequência de nossas reuniões certamente vai diminuir, cada um já tem um próximo passo definido, mas certamente esse time não vai acabar tão cedo. Esse time vai continuar crescendo junto, se comunicando, com um propósito e objetivos renovados e sempre motivado a seguir ONE.

Ovelha, LCP 2009 – EB ONE.